sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Para relaxar...

Para relaxar de tanto Português Maltratado e menosprezado, cá vai uma música muito pouco conhecida, mas, no entanto, linda.

domingo, 22 de novembro de 2009

Português Descorrecto

"O carro outra vez foi-se!"

sábado, 21 de novembro de 2009

Sábadoria Popular

"Muito riso, muito siso."

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Português Descorrecto

"O que eu vejo da minha janela, é praticamente muita coisa..."

sábado, 7 de novembro de 2009

Sábadoria Popular

"Cão que ladra não mia."

sábado, 10 de outubro de 2009

Como espalhar o pânico numa escola em meia-hora


Foi numa quarta-feira, talvez a da semana passada.

Do meu ponto de vista, tudo começou quando na aula de Formação Cívica a "Joana" teve uma visão. Ela tem esse dom estranho que ninguém comenta, de adivinhar o futuro.
- Vai haver porrada às 15:15!
Uma leve onda de entusiasmo cresceu na sala. Tudo muito discreto, sem o professor ouvir nada. Ok, eu estava a brincar, a "Joana" não tem visões, apenas recebeu uma mensagem no telemóvel...

Entretanto a aula acabou e eu saí. Fui para a biblioteca, fazer o que tinha a fazer (por muito nada que fosse, naquele dia...). Enquanto aguardava a hora de entrar no computador, fui ler o livro-fenómeno da moda (Já adivinharam qual é?), porque tem 477 páginas, porque eu sou um caracol a ler, porque queria acabá-lo antes do período acabar e porque o livro é giro. E enquanto eu lia o livro, a notícia espalhava-se.

Nisto aparece-me uma menina pequena (talvez do 5º ano), que não conheço de lado nenhum, e que me chama pelo nome:
- Tomás, sabes onde é que vai ser a porrada?
Fiz uma grande careta como se aquilo fosse o acontecimento mais desinteressante que pudesse acontecer e respondi que não, sem interesse. Mas por dentro eu fervilhava de perguntas. Primeiro, quem era aquela menina? Segundo, porque é que ela queria saber onde era a porrada? Será que queria assistir? Ou fugir? Terceiro, quem é que lhe assegurava que ia mesmo haver porrada? Senti o ambiente à minha volta a ficar um bocadinho estúpido.

Quando finalmente chegou a hora de eu ir ao computador, fui guardar o livro na mochila e, no trajecto mesa-mochila-computador ouvi uns miúdos muito preocupados. Conversavam uns com os outros como se viesse aí uma catástrofe, fazendo um ruído muito sonoro. Uma das funcionárias da biblioteca foi ter com eles, para os acalmar:
- Não quero ninguém aqui na conversa. Se querem conversar vão lá para fora.
- Não!
- Não podemos!
- Vai haver porrada!
- Os [rapazes] da Escola "XPTO" vêm aí!
- Eles trazem aquelas garrafas com [não sei quê] lá dentro!
- Ya, aquelas coisas que rebentam!
- Cocktails molotof, ou lá o que é!

Eu estava aterrado com o que ouvia - já estava mesmo a imaginar... Chegava toda a gente ao sítio da porrada e não havia lá ninguém, não acontecia lá nada e... E os miúdos na biblioteca para se abrigarem da guerra!

Fiz o que tinha a fazer no computador, depois fui para casa aproveitar a dádiva maravilhosa da única tarde livre da minha semana escolar, e pronto, não soube de mais nada acerca do espectáculo...

É impressionante...
  • como os boatos se espalham nas escolas
  • como o pessoal leva tudo a sério
  • (mesmo que não sejam boatos) como o pessoal se entretém na escola
  • como a violência faz parte das nossas vidas.

sexta-feira, 13 de março de 2009

" Estou triste,
As coisas que me interessam
Não me interessam
E isso deixa-me mais triste. "

" A vida só é justa numa situação:
Felicidade com tristeza se paga.
E isso é demasiado injusto!
Ora melhora, ora estraga... "

" Gosto de irradiar felicidade e bom humor,
Esteja triste ou feliz
Para amigos tristes ou felizes.
Se os faço mais felizes,
Sinto-me mais feliz! "

" Chocolate,
Música
E Amigos.
É a receita para a felicidade. "

" Estarei mesmo triste
Ou será só embirração? "


São este tipo de coisas que me deixam mais feliz. Escreve-se um pouco, desabafa-se com o nosso amigo papel, e tudo melhora.

Sexta-feira 13


Ultimamente têm vindo muitas sextas-feiras 13 às nossas vidas. Reparo que as pessoas se estão a tornar menos supersticiosas. Eu nunca o fui, e nunca serei. Tenho boas razões:

Sexta-feira 13 sempre foi um dia de sorte. Ou estarei a ser supersticioso ao acreditar em "sorte"?

  • Numa sexta-feira 13 nasceu o meu querido pai.
  • Hoje é sexta-feira 13 e houve greve de funcionários, logo não tive aulas e safei-me de um teste de Geografia.
  • Todas as sextas-feiras 13 me acontecem coisas fixes.
Não é fixe?
Não há razões para se ter medo de um dia assim...