terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Preversidade de um conto infantil


Estava a pensar aqui no Capuchinho Vermelho (mas em que raio de coisas é que este pensa?) e, com um pouco de atenção descobri uma coisa esquisita...

Quando o lobo chega a casa da avózinha come-a (outras versões menos violentas sugerem que a prendeu no armário) e veste-se com as suas roupas para enganar o Capuchinho Vermelho.
  1. O lobo nunca comeria a avózinha com as roupas vestidas, porque a roupa sabe muito mal.
  2. Para o lobo se vestir com as roupas da avózinha, tinha de as ter na sua mão antes de a engolir.
  3. O lobo despiu a avózinha antes de a comer!
    (ou então prendeu-a no armário e tirou de lá outro vestido, porque de certeza que a avózinha não usava sempre o mesmo)
Ok, afinal não há nada de preverso no conto.

domingo, 24 de agosto de 2008

Na Escola dos Meus Sonhos


Na Escola dos Meus Sonhos nunca sai água amarela das torneiras.
Na Escola dos Meus Sonhos quem está sentado mais atrás não precisa de um escadote para ver a parte de baixo do quadro.
Na Escola dos Meus Sonhos não há professores vindos do outro lado do mundo que tiveram de abandonar a casa e a família para poder dar aulas.
Na Escola dos Meus Sonhos não temos os ombros doridos por causa das mochilas.
Na Escola dos Meus Sonhos não saímos às 18:15 com toneladas de trabalhos de casa para o dia seguinte às 8:30.
Na Escola dos Meus Sonhos não temos que apanhar Sol para estar ao pé da sala para não chegarmos atrasados. Na Escola dos Meus Sonhos há árvores e sombras.
Na Escola dos Meus sonhos não morremos de frio ou de calor nas aulas. Assim podemos estar atentos sem sofrer.
Na Escola dos Meus sonhos a Biblioteca não está podre nem cheia de regras que só servem para encher as folhas do regulamento. Na Biblioteca da Escola dos Meus Sonhos podemos ler, estudar ou trabalhar sem ouvir os sons vindos dos computadores ou as funcionárias a conversar. Lá podemos ler aquele livro que deixámos em casa, ou ver aquele filme que adoramos.
Na Escola dos Meus Sonhos não temos que esperar séculos na fila do refeitório só porque há poucos funcionários, que se fartam de trabalhar e que não conseguem apressar mais as coisas porque não têm seis mãos.
Na Escola dos Meus Sonhos não temos que apanhar chuva por causa dos toldos partidos.
Na Escola dos Meus Sonhos eu e os meus amigos gostamos de aprender, porque aprender não é um processo doloroso, chato, cansativo e desconfortável. Gostamos de ir à Escola dos Meus Sonhos por causa da sua única finalidade: lá nós aprendemos e tornamo-nos adultos, sem sofrer.
Todas estas pequenas coisas podiam melhorar e a Escola dos Meus Sonhos seria real.

domingo, 10 de agosto de 2008

Primeira mensagem

Bolas! Agora passou a ser a segunda!

Vou começar o Belogue... O que fui fazer?
Talvez daqui resulte uma enorme catástrofe na história da blogosfera. Ou talvez não.

O belogueiro nunca tem ideias. Agora é só esperar pelo desejado milagre da chuva de ideias luminosas (com lâmpadas de baixo consumo).

Quem me mandou criar este Belogue? Afinal há sempre uma primeira vez na vida para tudo.

É preciso ser mesmo maluco para fazer coisas destas. E quem mais maluco do que eu?

Belogando

Tem graça, logo depois de escrever a primeira mensagem e de clicar no botãozinho cor-de-laranja houve um erro no Blogger.

Foi um sinal do deus da Blogosfera: isto vai dar mal...